Quinta do Paço de Valverde

Quinta com paço episcopal cuja origem teve início no séc. XVI, perto da ribeira de Valverde, por iniciativa da diocese eborense, ou Mitra de Évora, e que serviu de local de descanso aos seus membros. Posteriormente o Infante Dom Henrique, fundou nos terrenos da quinta um convento de frades capuchos, cuja comunidade aí se instalou em 1517. Do primitivo edifício quinhentista conservam-se muitos vestígios arquitectónicos, alguns de feição manuelina como é o caso da capelinha existente na cerca conventual, pavimentada com azulejos da primeira metade do século XVI. No denominado Jardim de Jericó, sobressai o lago dos Cardeais, iniciado na segunda metade do século XVII e decorado em volta da estátua de Moisés.

Destaca-se ainda, pelo seu valor arquitectónico, a capela do convento. Um perfeito exemplo de micro-arquitectura renascentista, onde a harmonia do traçado e a planta centralizada em cruz grega, revelam rara erudição e actualidade. Contíguas à capela do convento existem as "Casas Pintadas" com vários frescos.

Após a extinção das ordens religiosas, em 1834, todo o conjunto acabou por ficar na posse do Estado, que aí instalou um Posto Agrário, mais tarde a Escola Prática de Agricultura, e depois ainda a Escola de Regentes Agrícolas, agregada até aos dias de hoje à Universidade de Évora.

A área a afetar a uso turístico será a totalidade do imóvel (a confirmar) e o modelo jurídico será o de direito de superfície.

Concelho: 
Évora
Envolvente: 
A poucos quilómetros da cidade de Évora integra-se numa paisagem campestre de características idílicas e harmoniosas, na qual um aqueduto, os lagos e as fontes dos jardins formam um sistema hídrico muito peculiar.
Categoria de proteção: 
Imóvel de Interesse Público
Técnico Responsável: 
Leonor Picão
Localização: